Cumplicidades

Há palavras que nos beijam, Como se tivessem boca. Palavras de amor, de esperança. De imenso amor, de esperança louca...

domingo, abril 03, 2005

Da Entrega...

Passo-te as mãos no rosto num gesto de ternura intemporal
Os dedos àvidos de trajectos,
Os teus olhos de perguntar encontram os meus
Desenhando-lhes lentos compassos de espera,
Demoradamente lentos,
Devolvo o medo inquieto de que me saibas
Como se fosse possível impedi-los de te beijar
Com a furia de quem ama,
O teu cheiro a entrar no meu corpo.
A ternura a espraiar-se.
Os meus dedos a enrolarem-se nas palavras
Dolorosas do teu silêncio,
Os meus lábios no desejo da comunhão do sentir,
Beijam-te baixinho,
Para que oiças a ternura limpida
Do meu aceitar.
Solto-me de mim, para livre
Me depositar nas tua alma e no
Teu corpo.

No meu olhar a entrega da ternura
A certeza do amanhã...
actualizações de weblogs portugueses