Cumplicidades

Há palavras que nos beijam, Como se tivessem boca. Palavras de amor, de esperança. De imenso amor, de esperança louca...

quinta-feira, novembro 18, 2004

Irmão...

Estavas sentado na borda do passeio.
Quando passei fitaste-me.
Olhei-te nos olhos e tive um arrepio.
Lá bem no fundo, muito para além da retina,
A cratera negra do desespero abria-se,
Mostrando os contornos de todo o lixo acumulado durante a tua jovem vida.
Achei que me pedias ajuda.
Consternada e envergonhada, enfiei-te na mão, titubeando,
A única nota que trazia comigo.
Covardemente varri-te nesse instante do meu pensamento,
Não sem antes ter pensado: e se fosses meu irmão?
Não fiz caridade. Fugi de uma situação que não aguentaria, a ser verdade.
Quando passo no local onde te vi,
Recolho sempre o saco de plástico que guardavas junto a ti
E todos dias o jogo no lixo.
Nunca tive coragem de o abrir...
Por favor, perdoa o meu egoismo!


Imagem retirada daqui



Aquele homem que passou na rua
Com o olhar perdido
Num sonho sem forma
É meu irmão.
Aquele homem que arrasta os pés
Com os braços caídos
O fato roto e os pés doridos
É meu irmão.
Aquele homem que foi novo
E tinha a felicidade no olhar
Que nunca me viu
Que nunca me falou
Que não sabe se sou viva
Ou se já morri
E que sonha como eu
Um sonho escondido no olhar
E que tem como eu
O vazio em cada mão
Aquele homem
É meu irmão.


42 Comments:

Blogger frog said...

Um beijo enorme para ti, minha irmã!...

7:24 da tarde  
Blogger sandra said...

Minha amiga, muito lindo este teu texto, muito profundo e nos remetendo para os nossos dias, para situações que nos acontecem e que não ligamos mas que no entanto marcam-nos, quando vemos alguém e pensamos que ao dar uma nota resolvemos o problema, não muitas vezes as pessoas não precisam do bem material mas sim de alguém que se importe com elas, e quando pensamos que uma nota ou uma moeda resolve o problema de muita gente, estamos a nos enganar, pois há quem precise de carinho e dê mais valor aos sentimentos e ao que podemos demonstrar do que propriamente ao que podemos dar porque somos ricos!
Temos de pensar nas pessoas como seres que precisam de amor e carinho e não como um objecto que podemos comprar!
Beijinhos amiga!Bonito texto!

7:54 da tarde  
Blogger Olhares said...

Notavelmente comobente e belo!
Um beijo

8:01 da tarde  
Blogger Sandro said...

Lindo amiga!

É incrivel como através de um texto tão belo, retratas uma das maiores fatalidades dos nossos tempos.
Não o mendigar em si... mas a solidão no seu todo.

Um beijo

8:53 da tarde  
Blogger Maria Branco said...

Olhares, desde ontem que tenho aceder à tua página e não consigo. Bloqueia, não sei se é do formato do teu canto, não faço idéia... Obrigada pela tua preocupação e carinho, tirando uma terrivel gripe, cá vou indo...Espero que estejas bem! Alguma coisa, tens o meu e-mail ali ao lado! Deixo-te um beijo enorme, e o desejo de uma noite feliz! (espero que o problema se resolva e que possa novamente continuar a visitar-te)

8:54 da tarde  
Blogger Olhares said...

eheheheh Maria, eu sou Minhota, mas só costumo trocar os vs pelos bs a falar.Deve ter sido influência do texto da Cris.
Vamos considerar um erro técnico e onde se lê "Comobente", leia-se "Comovente"...uffff!
Beijo

8:57 da tarde  
Blogger Olhares said...

Penso que o Blogger anda com alguns problemas de acesso. Espero mesmo que se resolva, porque já tenho saudades de te ver a caminhar por lá!
Espero que a gripe te deixe rapidamente.
Penso que tb tens o meu email, qualquer coisa é só chamar e eu corro..., ó ó se corro..eheheh
Mais um beijo

9:02 da tarde  
Blogger stillforty said...

Tocante! Podiamos ser nós.

9:12 da tarde  
Blogger amita said...

Retratas muito bem a indigência, o que a maior parte das pessoas tenta esquecer quando vê. Flagelo do mundo. Obrigada Maria pelas tuas palavras, e voo sobre tons brancos, azuis, verdes, multicolores, em sonhos. Bjinhos amiga

9:35 da tarde  
Blogger Carmem L Vilanova said...

Intenso e verdadeiro... Obrigada por fazer-nos sempre lembrar de que somos todos irmaos!
Beijos e uma linda noite, querida irma!
Carmem Lucia Vilanova

10:17 da tarde  
Blogger wind said...

Belo post Maria, não devemos nunca perder a consciência que temos muitos "irmãos" assim! beijos***

10:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá Maria, já passei por tantas situações idênticas, já senti esse arrepio de medo, já senti o olhar sobre o meu olhar, a dizer: Não tenha medo de mim. Uffa! O medo é passado por todos e ele termina incorporado em nós.
Triste realidade.
Seríamos melhor, como ser humanos, se fizessemos essa pergunta: e se fosse eu? E se fosse meu irmão? Bonito texto, embora triste.
Achei diferente tua maneira de comentar hoje no meu blog. Um beijinho e uma linda sexta-feira, querida. Anne

10:47 da tarde  
Blogger Ankh said...

Bravo Maria!!!
Bravo..bravo...bravo...


Deixo-te um beijo, envolto na mais profunda das ternuras.

12:00 da manhã  
Blogger c.b. said...

E continuará a ser sempre teu irmão, independentemente de como seja, se abraçar ou se beija, se dormir na cama ou no chão, sempre o teu irmão. Muito bonito

Beijo

12:35 da manhã  
Blogger CAP said...

... nosso irmão...

2:27 da manhã  
Blogger Vera Cymbron said...

Muito bonito. Realmente comovente! E se fosse mesmo nosso irmão? E se pudesse ser nosso irmão? E se tudo...
Muitas vezes pergunto-me se a vida não será uma missão que a maior parte não cumpre. Este texto é uma pedrada no charco das nossas conciências.
Jinhos

9:55 da manhã  
Blogger Emilio de Sousa said...

Revejo-me no primeiro texto e tenho vergonha, muita vergonha...Beijinho, Maria.

11:00 da manhã  
Blogger contadordehistorias said...

Todos fazemos parte de algo ou de alguém, no entanto passamos a maior parte do nosso tempo a esquecer esse facto....


um beijo

11:26 da manhã  
Blogger Yurei said...

Sim, dizia Cristo e outros como Ele:
"Quando quiseres ajudar a um irmão, não lhe dês um peixe, ensina-o a pescar."
um beijinho Maria

11:47 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Grande Alma Maria, são intensos e profundos os seus textos. Fugimos da miséria com medo que seja uma doença contagiosa que nos atinja e nos deixe assim prostados de Alma vazia á beira de um passeio,sem nome, esquecidos,à espera que alguem nos lembre quem somos, e pensarmos que dando uma esmola calamos a nossa consciência, que o que precisavam esses mendigos era apenas e somente de um guia que lhes ilumine o caminho de volta ao seu templo.
Obrigado pela sua visita ao meu blog e pela sua presença que se sente sempre quente e fraterna.

Simbolosdaalma.

11:47 da manhã  
Blogger deSaraComAmor said...

Maria Branco:

Leio várias vezes os teus textos, mas às vezes sinto um pudor enorme em comentar-te, tão próxima sinto a a tua voz da minha. Curioso. Vejo em ti o mesmo olhar atento sobre a vida, a mesma alegria produzida pelo mais simples gesto de amor e uma serenidade sem limites visíveis. Por isso, por vezes não digo nada. Beijinhos.
Votos de um bom dia para ti.

1:19 da tarde  
Blogger ruiluis said...

é sempre bom reconhecer, e fazer reconhecer os outros do egoismo que nos faz cegar em determinadas situações da nossa vida social...parabens por esta atenção prestada ! um abraço...!

2:00 da tarde  
Blogger PARTILHAS said...

Maria Branco,

Tu és das Pessoas, mais Pessoas, mais Humanas e mais lindas que a minha vida me apresentou. Encontrar os teus textos, foi um acaso, que a vida me ofereceu.
Conhecer-te é um privilégio dos mais gratificantes de disfrutar.
Como "irmã" te digo, que nunca lamentes o que dás, porque por vezes quem não pede, é um muito maior mendigo. E quem rouba, o que lhe é dado, nada merece receber.

Um abraço forte, minha querida, Doce e Enorme Maria.

2:35 da tarde  
Blogger LolaViola said...

Muito bonito este teu post. Lembrei-me de um conto que certamente conheces da Sophia, o Homem. Um beijo
http://bloguecartas.blogspot.com/
http://vidasdeconchitaepaco.blogspot.com/

2:41 da tarde  
Blogger Paula said...

Subtil, sumptuoso,elegante e docemente profundo...

A marca do cantinho com o meu querido Mário Sá Carneiro a espreitar ao de leve pelo canto desta janela (e não só!) atraiu-me o suficiente para deixar mais do que estas palavras...a minha alma.

4:52 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Enorme abraço do "amo" para ti, Maria, minha virtual irmã.

5:57 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá. Ultimamente não tenho escrito grande coisa, deixei-me um bocado dos sonetos, optei por tentar fazer posts com textos baseados numa ideia, num tópico. Por exemplo, o texto que comentaste, "A duvida", é baseado no tema do rapaz que prefere a amiga mais gorda à amiga mais magra. Acho que deste modo o blog pode ficar interessante e pode provocar mais comentários.

Beijos

jackx

6:26 da tarde  
Blogger polittikus said...

Sensações agarradas neste mundo de loucos. Adorei...

7:10 da tarde  
Blogger Daniel said...

Gostei.

7:15 da tarde  
Blogger justanothernickname said...

Ahhhhhhhhhh... there is much more to *MARIA* then love poems afterall

9:38 da tarde  
Blogger justanothernickname said...

*MARIA*.............how did you put the music on your blog?
Do you have a link?

10:25 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Olá Maria! Acabo de entrar e já tenho a agradecer-te o meu primeiro blog de jazz nos favoritos!! _ agora, vou conttinuar a visita _ TD (chuinga).

10:32 da tarde  
Blogger ognid said...

A tua sensibilidade tão única, tão tua :) beijo.

10:36 da tarde  
Blogger Piolha said...

Acho que hoje em dia somos todos um pouco insensiveis a essas coisas... às vezes por falta de tempo, outras porque não queremos mesmo ver ... nem parar para pensar. Gostei muito Maria :) *

10:42 da tarde  
Blogger lique said...

Maria, se alguem tivesse dúvidas sobre a tua sensibilidade e a tua grandeza de alma bastava ler este texto para as tirar todas. Belíssimo e tão sentido! beijinhos, amiga.

12:16 da manhã  
Blogger souuma said...

Fugimos (quase) todos... uns com esmolas, outros sem...

12:58 da manhã  
Blogger mário said...

identifiquei me bastante com este post... porque é que ás vezes temos vergonha de ajudar quem mais precisa!?
um beijo *

3:28 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Ola Maria, e aí minha querida, como estás? Desejo realmente que fique logo curada da gripe e que o ânimo volte. Detesto a gripe que vem com tantos sintomas.
Um domingo feliz e boa semana,
Muitos beijinhos.
Anne.

10:42 da tarde  
Blogger IsaMar said...

bonito.
tou em
www.pianinhodosapo.blogs.sapo.pt/ ou
www.pianinhodo.blogspot.com/

12:07 da manhã  
Blogger Anjo élico said...

às vezes jogamos no lixo o nosso irmão... para não termos coragem em ouvi-lo.
Bj e continuação de bom fim de semana

12:49 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Senti emoção semelhante quando, há mais de trinta anos, li, pela primeira vez "O capote", de Gogol. Parabéns.
batista filho

12:55 da manhã  
Blogger rfarinha said...

Não lhe chames egoísmo... egoísmo seria passar e fingires que não vês e nem sequer pensavas mais sobre o assunto... aprendi da pior maneira que não podemos resolver todos os males do mundo... podemos apenas atenuá-los esporadicamente ;) Bjs

10:27 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

actualizações de weblogs portugueses