Cumplicidades

Há palavras que nos beijam, Como se tivessem boca. Palavras de amor, de esperança. De imenso amor, de esperança louca...

terça-feira, outubro 12, 2004

Ir com o tempo...

Adoro esse mapa que se vem gravando no teu corpo,
Essa textura de uma vida que soubeste partilhar,
Esse testemunho de que viveste para o tempo,
De um tempo que por ti passou e marcou,
No qual foste espectadora e intérprete.
Quisera reduzir-me ao ínfimo ser
Para poder percorrer os montes e vales no teu rosto
E ouvir os ecos das histórias que viveste.
Quero aprender contigo o saber que és...

Maria



Gosto das mulheres que envelhecem,
com a pressa das suas rugas, os cabelos
caidos pelos ombros negros do vestido,
o olhar que se perde na tristeza
dos reposteiros. Essas mulheres sentam-se
nos cantos das salas, olham para fora,
para o átrio que não vejo, de onde estou,
embora adivinhe aí a presença de
outras mulheres, sentadas em bancos
de madeira, folheando revistas
baratas. As mulheres que envelhecem
sentem que as olho, que admiro os seus gestos
lentos, que amo o trabalho subterraneo
do tempo nos seus seios. Por isso esperam
que o dia corra nesta sala sem luz,
evitam sair para a rua, e dizem baixo,
por vezes, essa elegia que só os seus lábios
podem cantar.

Nuno Judice

38 Comments:

Blogger frog said...

Querida Maria, só uma alma tão sensível como a tua pode escrever sobre o envelhecer com tanta ternura.

"Mulher de avental desalinhado//Velando por tudo em seu redor//Aquecida de fé noutro calor//Ao borralho do sol quase apagado"

Fica com um beijo

6:25 da tarde  
Blogger sandra said...

Olá minha querida amiga!
Gostei muito deste teu texto...fala-nos da sabedoria e das marcas do tempo em nosso corpo e em nossa memória!
É tão bom aprender com os mais velhos, só eles tem a sabedoria e nos sabem responder a questoes que muitas vezes não sabemos as respostas, devemos sempre pedir conselhos, as suas historias e aprender com eles é muito gratificante porque nem os livros nos ensinam tanto como eles!
Beijinhos minha amiga!Bom texto!

7:01 da tarde  
Blogger nobody said...

Muito bonito!

7:25 da tarde  
Blogger carlos said...

as rugas das mulheres que envelhecem são os picos de Kilimanjaro: ardentes, brancos, mareantes...

8:50 da tarde  
Blogger Alma said...

Querida Maria .. uma maneira bonita de definir o passar dos anos .. só tu para escreveres com tranquilidade acerca deste assunto que tantos assusta .. Um excelente dia .. muitos beijinhos

8:54 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Maria, só a tua sensibilidade daria valor a pessoas idosas, tal como elas o merecem. Cada ruga que têm é uma marca da sua vida. Beijos* wind

9:29 da tarde  
Blogger o5elemento said...

{ … gostei muito das tuas palavras, Maria. talvez sejam estas (ou as tais; aquelas) que queria escrever e não (ou nunca) consegui … bravo … }

10:08 da tarde  
Blogger mário said...

é sempre óptimo voltar ao teu canto... mais uma vez obrigado pelas palavras que deixas no meu. um beijo

10:25 da tarde  
Blogger Emilio de Sousa said...

Não há como o saber da experiência feito. Com todos os seus erros e sucessos. Respeitemo-lo e sejamos capazes de o ler em cada prega e em cada sulco da pele dos nossos maiores.Um beijo.Belíssimo post.

10:52 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

e ao te reduzires ao infimo ser, descobres a pessoa que és, uma mulher linda, com um coração sensivel mas ao mesmo tempo doce e belo.
e essa mulher que tu és, é uma mulher que cresce com a vida, e que cada dia que passa se torna mais forte e cada vez mais maravilhosa.

paulo povoa
http://frasesepoemas.blogs.sapo.pt

12:22 da manhã  
Blogger Sara said...

Palavras cheias de ternura!!!
Beijos

12:37 da manhã  
Blogger heloisa said...

_MUITO MUITO BONITO e, UMA BELISSIMA HOMENAGEM A MULHER QUE OSTENTA AS MARCAS DA PASSAGEM DO TEMPO*!

_TEMPO* que e' SABEDORIA! E' DADIVA! E' AMOR! E' ENTREGA! E' VIDA que se OFERECEU A OUTRAS VIDAS!
_TEMPO* QUE E' BELEZA _INTERIOR_ mas tambem EXTERIOR apesar das *MARCAS* sulcadas por esse mesmo TEMPO*!!!

E... querida MARIA*, estava sendo tempo de eu vir visita'-LA! Nao o fiz mais cedo, penso que sabe porque!
Contudo, AUSENCIA, nao significa indiferenca, significa, sim SAUDADE!
SEMPRE E SEMPRE ENCONTRO BELEZA E PALAVRAS SABIAS E PROFUNDAS NESTE BELO ESPACO DE *CUMPLICIDADES*!
_Estou CUMPLICE com o seu BOM GOSTO e a SENSIBILIDADE DE SEU CORACAO/ALMA!
_Beijos!
Perdoe alguma gralha!_tenho ainda muit dificuldade em estar ao computador, por mais longo tempo! E, ontem e hoje, tenho-me excedido!_TENHO SAUDADES de MEUS AMIGOS* e, nao consigo escrever para TODOS a UM TEMPO!
Agora, e' outra vez, tempo de IR! mas... VOLTAREI!
Sinto Sua falta em minha caixa de correio!
Sua Amiga, de coracao,
Helois B.P.
*****************************************************

2:18 da manhã  
Blogger rfarinha said...

E não são as rugas sinais de velhos sorrisos? ;) bjs

3:56 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Maria,
que mãos...
beijos(desculpa mas gosto mais que beijinhos)muitos
PLH(vulgo P)

9:02 da manhã  
Blogger PARTILHAS said...

Doce Amiga,
Arrepiante este post.
Hoje apeteceia-me abraçar-te, de modo forte sem força. Segurar-te o rosto, entre as minhas mãos, olhar bem dentro dos teus olhos e dizer-te; Gosto tanto de ti. :-)

9:29 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Maria, este post, tão delicado, é de uma ternura que em muito excede as palavras...A tua introdução é belíssima, a foto é comovedora e o poema de Nuno Júdice, que não conhecia, é tão verdadeiro! Durante alguns minutos fiquei suspensa, a ler e reler, a ver e rever a foto, e apensar como é sublime a forma de amor que aqui retratas. Obrigada. Um bom dia para ti :-)

Dora
www.atrasdaporta.blogs.sapo.pt

10:12 da manhã  
Blogger lique said...

Cada palavra tua revela o entendimento perfeito daquilo que envelhecer significa. Em cada ruga uma experiência, de riso ou lágrimas. O poema de Nuno Júdice também é belíssimo. Beijinhos, amiga

11:18 da manhã  
Blogger polittikus said...

Umm belo texto, sobre a passagem do tempo no nosso corpo... Adorei. Ass: POLITTIKUS.blogs.sapo.pt

12:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Lindos... os dois textos são lindos!
As Rugas não são vergonha... quantos mulheres (e homens)ainda não sabem isso!
Bjs Aníbal

1:19 da tarde  
Blogger ccc said...

:)
Ando com saudades de ler Nuno Júdice.Já reparas-te que existem poucos poemas dele na net? beijocas

2:24 da tarde  
Blogger Amadeu Raimim said...

De repente fizeste-me sentir uma saudade enorme de duas bisavós que cheguei a conhecer e com quem convivi ainda uns bons anos. Além das histórias que incansavelmente me contavam, não vou nunca esquecer a beleza da sua pele, tisnada pelo Sol e enrugada pelos anos. Um beijo e bem hajas! :*

2:48 da tarde  
Blogger lualil said...

"...E ouvir os ecos das histórias que viveste.
Quero aprender contigo o saber que és..."
Palavras de beleza e significado impressionantes!
beijinhus e bom dia!

2:52 da tarde  
Blogger Ivo Jeremias said...

Uma vénia...

4:01 da tarde  
Blogger corpo visível said...

É uma arte saber envelhecer com sabedoria, de facto...
Um beijo enorme, Maria!
:)

4:26 da tarde  
Blogger Antonio said...

Maria, Chegou hoje o momento de dizer o quanto acho belo e profundamente humano o que publica aqui. Entrei no seu blog por acaso mas só hoje decidi fazer um comentário. Acho que este seu espaço, aberto a todos, é uma "lufada de ar fresco" (perdoe-me a vulgaridade da palavras)na selva que é muitas vezes o dia a dia das nossas vidas; gosto muito dos seus poemas que nada ficam a dever aos dos autores consagrados que publica.

CUMPLICIDADES é também um nome muito feliz porque representa aqui, parece-me, a única aplicação não pejorativa do termo: algo que liga pessoas com alguma semelhança de energia de espirito e que não se destina a prejudicar outros.

Continue.

6:12 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Fazia tempo que não vinha aqui, Maria. Tinha perdido o link.
Belíssimos, os dois poemas.
Um beijo,

Márcia

http://www.tabuademares.blogger.com.br
http://www.mudancadeventos.blogger.com.br
http://alfabeto.blogspot.com

8:02 da tarde  
Blogger stillforty said...

Uma bela maneira de homenagear a velhice! Lindo como só tu sabes, Maria.
Beijos

8:37 da tarde  
Blogger Carmem L Vilanova said...

Muito Bonito! Alias, como todo o seu blog, muito bonito, com um bom gosto que so as almas boas possuem! Parabens!

9:43 da tarde  
Blogger Poemas de amor e dor said...

Maria:
Sempre uma palavra amiga! Sempre uma mão estendida pronta a ajudar! Obrigado e que a tua visão sobre o mundo seja luz, esperança e fraternidade para com as palavras tu possas, sempre, aconchegar os nossos corações.
Remeto parte de um poema meu, inédito, para complementar este poema.
Mãe!
Essas tuas mãos doridas,
Foram o sal das nossas vidas!
Beijo as tuas mãos minha mãe.
Romasi
1973
Rogério Simões

9:55 da tarde  
Blogger yogipijama said...

concordo contigo maria... envelhecer é o nosso maior tesouro! :)

10:04 da tarde  
Blogger contadordehistorias said...

Cada linha daquela mão enrugada transformaste em palavras que falaram por todas as suas memórias e ecoaram por todo o seu corpo... eu ouvi.

10:07 da tarde  
Blogger Sara said...

Que ternura de poema.
Beijos

11:15 da tarde  
Blogger MWoman said...

As marcas do tempo que tão bem descreves e que ternura e
admiração demonstras por elas! Muito sensíveis as tuas palavras, Maria, mas nada que já não seja habitual!Beijocas e votos de uma boa noite.

1:03 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Que lindo,Maria. Parece a mão do meu vô, tão enrugadinha, mas tão querida. Respeito cada ruga, cada dia de mais experiência que a vida se encarrega de marcar.
Adorei a postagem com essa homenagem à idade da maior sabedoria.
um beijinho, querida.

1:17 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Estou com uma lagrimazita no canto do olho, simultaneamente de alegria e tristeza ao ler estes textos, tocam-me bastante!... Permites Maria que os dedique à minha mãe que me deixou à pouco tempo? Beijo grande pra ti!

In Loko

7:14 da manhã  
Blogger Yardbird said...

Assim seremos nós um dia, Maria. Também gosto desses mapas desenhados na pele, a história desenhada de uma vida. Beijinhos, dia feliz :-)

12:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

A mão,
um mapa.
Se a voz cala
a mão, por si, fala.

Maria Branco, recém-chegando, comoveu-me a delicadeza de suas palavras, a beleza de uma mão nua, indelevelmente marcada pelo tempo. Com carinho e respeito, batista filho.

1:00 da tarde  
Blogger Polly said...

Maria, que poemas tão bonitos. A velhice é uma grande sabedoria, como a infância. É por isso que nas sociedades civilizadas, tão distantes da nossa, os velhos e as crianças são os seres mais respeitados. Um beijinho. Tenho seguido com muita alegria os teus comentários no meu Diotima

11:05 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

actualizações de weblogs portugueses